Processo de revisão

Com a aprovação dos novos Princípios e Critérios (P&Cs) do FSC e dos novos Indicadores Genéricos Internacionais (IGIs), o FSC Brasil iniciou o processo de revisão dos padrões nacionais.

Este processo está em curso e conta com a atuação e contribuição de diversas pessoas e organizações interessadas, a fim de garantir a construção consistente dos novos padrões, brasileiros de certificação florestal.

Novos Padrões Brasileiros de Manejo Florestal

Os três atuais padrões nacionais – Amazônia Terra Firme, Pequena Escala e Baixa Intensidade (SLIMF) e Plantações Florestais – estão sendo revisados de acordo com os novos P&Cs.

Para a condução deste importante processo, foram criados dois Grupos de Trabalho (GT) – um para discutir o novo padrão de plantações e outro para discutir o novo padrão de nativas, com foco no manejo de florestas na Amazônia.

Cada Grupo de Trabalho é formado por membros eleitos do Comitê de Desenvolvimento de Padrões (CDP) e do Comitê de Especialistas Técnicos (CET). Os Grupos de Trabalho também contam com o apoio do Fórum Consultivo, que está aberto a qualquer pessoa interessada em contribuir com o processo.

No final, serão enviados para aprovação dois novos padrões de manejo: um para plantações florestais e um para florestas nativas, tendo em ambos os documentos uma camada específica de indicadores para pequenos produtores e comunitários, contemplando o atual padrão SLIMF.

Plano de Trabalho para elaboração do novo padrão de plantações florestais

Fase 1 - Elaboração da primeira versão do novo padrão de plantações

Na elaboração da primeira versão do Padrão de Plantações Florestais, foi feita uma análise comparativa dos Princípios e Critérios (P&Cs) versão 4 e versão 5, considerando os Indicadores Genéricos Internacionais (IGIs) e os atuais indicadores do Padrão Harmonizado - e assim foram propostos indicadores de acordo com a realidade brasileira.

O novo padrão tem duas camadas: uma com indicadores específicos para pequenos e comunitários (sigla PP) e outra para médios e grandes (sigla MG). Esta primeira versão foi discutida e aprovada pelo Comitê de Desenvolvimento de Padrões (CDP) e pelo Comitê de Especialistas Técnicos (CET).

Fases 2 e 3 – Primeira rodada de consulta pública e elaboração da segunda versão do documento

Além da consulta pública online pelo período de 60 dias, também foram realizadas 6 reuniões presenciais e 2 participações no Fórum Florestal, no intuito de engajar pessoas e organizações no manejo florestal responsável, e dar oportunidade para que as partes interessadas e afetadas conhecessem a primeira versão dos documentos e pudessem opinar de forma aprofundada sobre temas relevantes.

As contribuições recebidas foram conisideradas e incorporadas na segunda versão do documento, aprovada pelo CDP em setembro de 2017.

Fase 4 - Testes de campo e segunda rodada de consulta pública


Serão realizados testes de campo para a aplicação do padrão voltado aos pequenos e comunitários, bem como para as médias e grandes propriedades. Do aprendizado trazido da aplicação prática dos indicadores, será elaborada a versão que vai para consulta pública.

A segunda rodada de consulta pública será realizada por 60 dias, via online e contando com reuniões presenciais.

Fase 5 - Versão final

Os comentários recebidos durante o período de consulta pública serão analisados e incorporados no padrão a ser discutido e avaliado pelo CDP e CET. Após aprovado pelo CDP, teremos a versão final do documento, que será enviada para aprovação final do FSC Internacional.

Plano de Trabalho para elaboração do novo padrão de nativas

Fase 1 - Elaboração da primeira versão do novo padrão de nativas

Na elaboração da primeira versão do Padrão de Nativas, foi feita uma análise comparativa dos Princípios e Critérios (P&Cs) versão 4 e versão 5, considerando os Indicadores Genéricos Internacionais (IGIs) e os atuais indicadores do Padrão Terra Firme e os indicadores referentes à manejo de nativasdo padrão para Pequena Escala e Baixa Intensidade (SLIMF), sendo propostos indicadores de acordo com a realidade brasileira.

O novo padrão tem duas camadas: uma com indicadores específicos para pequenos e comunitários (sigla PP) e outra para médios e grandes (sigla MG). Esta primeira versão foi discutida e aprovada pelo Comitê de Desenvolvimento de Padrões (CDP) e pelo Comitê de Especialistas Técnicos (CET).

Em dezembro de 2015 foi realizada uma oficina sobre Paisagens Florestais Intactas (PFI ou IFL, sigla em inglês), para promover a discussão deste importante tema e subsidiar o Grupo de Trabalho de Nativas. Os resultados destas discussões foram considerados na primeira versão do padrão e levados à consulta pública.

Fases 2 e 3 – Primeira rodada de consulta pública e elaboração da segunda versão do documento

Além da consulta pública online pelo período de 60 dias, também foram realizadas 3 reuniões presenciais, no intuito de engajar pessoas e organizações no manejo florestal responsável, e dar oportunidade para que as partes interessadas e afetadas conhecessem a primeira versão dos documentos e pudessem opinar de forma aprofundada sobre temas relevantes para o sistema FSC.

As contribuições recebidas foram registradas e incorporadas na segunda versão do documento. Atualmente, estão sendo discutidos os indicadores referentes às Paisagens Florestais Intactas. Uma vez finalizada, aprovada pelo CDP, esta versão segue para testes de campo.

Fase 4 - Testes de campo e segunda rodada de consulta pública

Serão realizados testes de campo para a aplicação do padrão voltado aos pequenos e comunitários, bem como para as médias e grandes propriedades. Do aprendizado trazido da aplicação prática dos indicadores, será elaborada a versão que vai para consulta pública.

A segunda rodada de consulta pública será realizada por 60 dias, via online e contando com reuniões presenciais.

Fase 5 – Versão final

Os comentários recebidos durante o período de consulta pública serão analisados e incorporados no padrão a ser discutido e avaliado pelo CDP e CET. Após aprovado pelo CDP, teremos a versão final do documento, que será enviada para aprovação final do FSC Internacional.
Responsáveis pela construção dos novos padrões nacionais

- Equipe FSC Brasil
Responsável pela condução e facilitação do processo, de acordo com as normas internacionais do FSC.

- Comitê de Desenvolvimento de Padrões (CDP) e Comitê de Especialistas Técnicos (CET)
O Comitê de Desenvolvimento de Padrões foi eleito pelos membros do FSC Brasil para dirigir a área de padrões do FSC. Este comitê será responsável pela aprovação e revisão do Plano de Trabalho e aprovação em primeira instância dos novos padrões nacionais, enviando para o Conselho Diretor do FSC Brasil, que encaminhará formalmente ao FSC Internacional.

Para auxiliar o CDP na revisão dos padrões nacionais, foi formado o CET, composto por membros de certificadoras acreditadas para avaliação de manejo florestal no Brasil.

Juntos, CDP e CET formam os Grupos de Trabalho

Grupo de Trabalho Nativas

Subcomitê Nativas do CDP

  • Câmara Ambiental: Prof. Edson Vidal (membro individual) e Marco Lentini (WWF Brasil)
  • Câmara Econômica: Marcos Antônio Souza (Mil Madeiras) e Isabel Drigo (membro individual)
  • Câmara Social: Marina Gurgel (membro individual) e Edson Santos (membro individual)

CET Nativas

  • Imaflora - David Escaquete (titular), Leonardo Sobral (suplente)
  • SCS/Sysflor - Vanilda Souza (titular)

Grupo de Trabalho Plantações

Subcomitê Plantações do CDP

  • Câmara Ambiental: Murilo Mello (Instituto Itapoty e Maurício Talebi (Instituto Muriqui)
  • Câmara Econômica: João Augusti (Fibria) - e André Sanches (2Tree Consultoria)
  • Câmara Social: Ilaine Zimmermann (membro individual) e Oscar Artaza (membro individual)

CET Plantações

  • Bureau Veritas - Camila Mehes (titular)
  • Imaflora - Guilherme Lopes (titular), Ricardo Camargo (suplente).
  • SCS/Sysflor - Vanilda Souza (titular)
  • Emérita - Ivone Satsuki Namikawa - Policy and Standards Committee, FSC Internacional

Fórum Consultivo

Está aberta a chamada pública para participação no Fórum Consultivo, que apoia o Comitê de Desenvolvimento de Padrões (CDP) e o Comitê de Especialistas Técnicos (CET) na condução do processo de revisão dos padrões nacionais de manejo florestal, para a nova versão dos Princípios e Critérios do FSC.

Todos os interessados no FSC, no manejo florestal responsável e em temas como legalidade, direitos dos trabalhadores, relações com as comunidades, valores e impactos ambientais, biodiversidade, paisagens florestais intactas, altos valores de conservação, planejamento, monitoramento e avaliação do manejo, economia florestal, entre outros, estão convidados a participar do Fórum Consultivo.

O papel deste Fórum é assegurar que as partes afetadas/interessadas tenham oportunidade de participar do processo de desenvolvimento de padrões. A participação é aberta e não há número máximo de participantes.

Participe você também desta importante construção em prol das florestas do Brasil e do mundo!

Envie um e-mail para info at fsc.org point br, com o assunto “Eu quero participar do Fórum Consultivo”.

Informe seu nome completo, telefone, endereço, organização em que atua (se houver) e de qual Grupo de Trabalho (GT) quer participar - GT Plantações ou GT Nativas.


© Forest Stewardship Council® · FSC® F000204